Arquivos Processos de Negócios - CRM7 - Zoho Partner Brasil
Category

Processos de Negócios

Relatórios de CRM: quais são os relatórios que você precisa ter

By | Blog, CRM, Processos de Negócios

As equipes de vendas usam sistemas de gerenciamento de relacionamento com o cliente (CRM) para entender melhor quem são as pessoas que fazem negócios com elas. Mas se você não estiver utilizando os relatórios certos, talvez não esteja obtendo uma imagem precisa de quais produtos ou serviços eles gostam e quais são os mais lucrativos e os menos lucrativos.

 

Assim, para ajudar os empresários e executivos a lidar melhor com o sistema de CRM, listamos os principais relatórios que você pode utilizar para extrair as melhores informações sobre seus clientes.

Uma vista de dentro

Embora o formato dos relatórios e os recursos variem de produto para produto, quase todo CRM oferece algumas ferramentas prontas que cobrem o básico:

 

  • Relatórios de vendas (receita, pipelines, metas, etc.)
  • Relatórios de campanhas (email, landing pages, fontes de leads)
  • Relatórios de clientes (padrões de compra, dados demográficos/dados corporativos, lucratividade)

 

Como um todo, os relatórios do CRM podem ser usados para ajudá-lo a vender de maneira mais inteligente, monitorar o progresso para as metas e identificar rapidamente os problemas. Eles também podem ajudar os profissionais de marketing a acompanhar o desempenho da campanha e medir o ROI, ou seja, o retorno sobre o valor investido em determinada campanha.

 

Como você pode ver, há mais algumas maneiras de selecionar as informações certas com as ferramentas que você já tem. No restante deste post, falaremos sobre alguns usos específicos das ferramentas de relatórios do CRM. 

 

Como cada fornecedor tem nomes diferentes para seus relatórios, nós os classificamos por tipos e analisamos seis categorias principais de relatórios do CRM.

1) Relatórios de Rentabilidade

Os relatórios de rentabilidade mostram de onde vem o seu dinheiro – não em termos de campanha, mas em termos de clientes específicos. Ao filtrar seu banco de dados para histórico de compras e hábitos de compra do cliente, você pode determinar quais clientes:

 

  • fazem a maior contribuição para sua receita
  • são os mais leais
  • e tem o maior potencial para comprar de você novamente

 

Esses insights podem ser úteis para organizações sem fins lucrativos (que precisam alavancar seus maiores doadores como defensores da comunidade) e empresas B2B (que usam o marketing baseado em contas para gerar receita).

2) Relatórios do ciclo de vendas

Como as vendas e o marketing gerenciam o processo de compra em vários pontos de contato e canais, é importante saber como diferentes variáveis ​​afetam o ciclo de vendas. 

 

Dependendo da ocasião, os ciclos de vendas podem ficar mais longos e mais complicados.

 

Os relatórios de ciclo de vendas podem descrever a duração média do ciclo (da captura de leads até o fechamento) entre as diferentes origens de leads e detalhar as métricas menores, como o tempo médio de resposta.

3) Relatórios de pipeline 

Os relatórios de pipeline mostram como seus leads estão progredindo ou regredindo através do processo de decisão e quais oportunidades estão pendentes. 

 

Isso ajuda os profissionais de marketing a definir cotas para suas campanhas e ajuda os vendedores a priorizar suas táticas de desenvolvimento com base no estágio de oportunidade. 

4) Relatórios de previsão de vendas

Depois de ter uma imagem clara do seu pipeline, você pode usar seus leads e oportunidades atuais – assim como as tendências de vendas passadas – para projetar a receita futura. 

 

A maioria das equipes executa relatórios de previsão de vendas mensal ou trimestralmente e usa as projeções para definir metas para cada departamento. É claro que, para essas previsões serem confiáveis, o próprio pipeline precisa ser preciso, o que impede o uso de ferramentas de medição manual e “adivinhações”. 

5) Relatórios de Conversão de Vendas

Os relatórios de conversão de vendas informam a porcentagem de leads convertidos em transações ou vendas ganhas dentro de um período definido. 

 

A maioria dos CRMs decompõe isso pela origem do lead. Por exemplo, o relatório pode mostrar que 12% dos leads de e-mail foram convertidos no mês passado, em comparação com apenas 5% dos leads de mídia paga. 

 

Dependendo da sua plataforma, você também pode ter visibilidade dos estágios iniciais de conversão, como MQL (lead qualificado de marketing) para SQL (lead qualificado de vendas) e SQL para SAL (lead aceito de vendas).

 

Essa percepção faz parte do processo de “ciclo fechado”, que ajuda os profissionais de marketing a rastrear leads depois que eles são entregues às vendas e atribuem resultados financeiros a táticas de campanha específicas. 

6) Relatórios de progresso da meta

Os relatórios de progresso da meta avaliam o desempenho das campanhas em relação às metas predefinidas. Estes serão inevitavelmente diferentes para cada departamento. 

 

Para o time de vendas, um relatório de progresso pode rastrear a receita total e os negócios ganhos para o período fiscal atual. 

 

Para marketing, pode ser o número de MQLs entregues ou a receita total por fonte. 

 

Os relatórios de progresso de meta são reconhecidamente de alto nível, mas podem servir como um ponto de referência para a eficácia da campanha sem exigir um mergulho profundo nas métricas de pipeline e de canal (na maioria das vezes, os relatórios de metas podem ser incorporados ao seu painel). 

 

Isso mantém os membros da equipe na mesma página e ajuda os tomadores de decisão a saber quando mudar de marcha.

 

Os relatórios de CRM tornam a inteligência comercial básica acessível à empresas de todos os tamanhos. Eles são fáceis de interpretar e de usar, o que significa que você só tem a ganhar.

CRM e finanças da empresa

By | Blog, CRM, Processos de Negócios

O gerenciamento de relacionamento com o cliente é um aspecto crucial para qualquer negócio. Isso é o que ajuda os empreendedores a facilitar as interações que eventualmente convertem leads em clientes pagantes. 

 

O atendimento de qualidade é um fator importante para aumentar a receita, reduzir a rotatividade de clientes e aumentar as taxas de satisfação para o seu negócio. 

 

No entanto, os processos envolvidos nos esforços para garantir esses relacionamentos podem ser bastante entediantes, razão pela qual muitas empresas investem em programas de software de CRM (Customer Relationship Management).

 

Você pode estar se perguntando, “como exatamente essas plataformas ajudarão o controle financeiro da empresa?”. Neste artigo, discutiremos os tópicos a seguir para ajudá-lo a entender qual a relação entre CRM e as finanças da empresa.

Benefícios do uso do CRM

Os sistemas de CRM permitem que as empresas envolvam mais clientes de maneira positiva e permaneçam competitivas no ambiente de negócios lotado e agressivo de hoje. 

 

Geralmente equipados com ferramentas para rastreamento de atividades do cliente, monitoramento de interação e registro de informações de contato, esses softwares podem melhorar significativamente a retenção de clientes e a geração de leads. Além disso, com seus recursos de automação, os usuários podem facilmente reduzir o tempo gasto em tarefas manuais tediosas e focar em responsabilidades mais exigentes.

 

Para ajudá-lo a ter uma ideia melhor de como essa solução pode melhorar suas operações comerciais, preparamos uma explicação detalhada dos três principais benefícios do CRM:

1- Melhor desempenho de vendas

É o motivo mais óbvio para adotar estratégias de CRM. Quando bem utilizado, o CRM permite que você siga leads de qualidade e reduza o desperdício de tempo com prospectos “ruins”. 

 

Os ciclos de vendas são reduzidos e as taxas de ganho são melhoradas. Além disso, você pode verificar os históricos de compras de cada cliente para identificar potenciais leads, aproveitar oportunidades ou gerar novas vendas.

 

O software de CRM também ajuda a identificar seus clientes mais valiosos, além de criar um sistema de recompensa ou comunicação personalizada para aumentar o engajamento e a conversão. 

2- Maior Rentabilidade e Eficiência

Rentabilidade é mais do que apenas aumentar as vendas. Ela está relacionada a processos eficientes em todas as suas operações comerciais para garantir que as oportunidades de vendas não sejam perdidas e os custos sejam minimizados. 

 

Com o CRM, os funcionários podem acessar dados importantes rapidamente para atender às necessidades do cliente ou resolver um processo de negócios crítico com mais rapidez. 

 

Por exemplo, um cliente está reclamando sobre um produto defeituoso. O Serviço de Atendimento ao Cliente no pós-vendas pode solicitar o número de série do produto e acessar rapidamente o banco de dados para registrar o lote defeituoso, enquanto a Logística pode fazer a substituição necessária. Enquanto isso, o Financeiro da sua empresa está computando a implicação de custo dessa atividade.

3- Tomada de decisão tática mais rápida

Um gerente bem informado com acesso a dados em tempo real pode fazer ajustes rapidamente para reagir às tendências do mercado. O CRM permite que você busque informações precisas a partir de dados em tempo real e no local. Isso significa que você pode ajustar suas estratégias ou táticas imediatamente para aproveitar uma oportunidade ou evitar uma crise.

 

A consolidação desse conhecimento, digamos, com a cadeia de suprimentos, pode ajudar a equipe de eventos a organizar testes escalonáveis ​​em segmentos de vendas de desempenho inferior, mas promissores. 

 

O CRM ajuda você a alocar recursos não apenas em áreas carentes, mas também promissoras. Da mesma forma, dados mais precisos também permitem reunir as melhores práticas brutas de diferentes departamentos para melhorar ainda mais a operação comercial geral.

A solução que a sua empresa precisa

Os negócios de hoje, sejam em grandes ou pequenas empresas, devem garantir que todas as suas operações atuem em uma direção unificada para adquirir novos clientes, retê-los e cortar custos operacionais. 

 

Eles precisam de uma boa estratégia de CRM. 

 

É como um maestro que permite que uma orquestra execute uma peça musical sólida, consolidando vários instrumentos em um único movimento fluido. 

 

Esperamos que com nossa lista dos 3 principais benefícios financeiros dos sistemas de CRM, você tenha encontrado razões mais concretas para começar a investir nessa tecnologia.

10 sinais de que você está fazendo a liderança certa

By | Blog, Processos de Negócios

O que faz para um grande líder? Esta pergunta foi feita muitas vezes, e provavelmente não há uma resposta definitiva para ela. A marca de um bom líder pode ser encontrada de muitas maneiras, e se você não tem certeza de que está fazendo a sua liderança corretamente, fique atento a esses dez sinais que informam se você está indo na direção certa:

 

  1. Você é acessível

 

Mais frequentemente do que não, o que as pessoas procuram em seu líder é que eles sejam acessíveis, alguém a quem podem pedir ajuda. Pergunte a si mesmo se você é essa pessoa para sua equipe. Uma das marcas de um verdadeiro líder é ser acessível. Seja seu ir para a pessoa para quando eles estão em apuros, e mais importante, ser  confiável .

 

  1. Você mantém um temperamento tranquilo

 

Uma das maiores fraquezas de um líder é o temperamento deles. Pergunte a si mesmo se você é o tipo de pessoa para manter a calma durante situações estressantes ou se você explodir sua cabeça no momento em que sentir o cheiro de problemas. Manter a compostura é uma das melhores características que um líder pode ter, e não é algo que você vê com frequência. Da próxima vez que sua equipe atrapalhar sua tarefa ou se você estiver sendo gritado por seus clientes, tente manter a calma porque, como diz o ditado, “serviço com um sorriso levará um longo caminho”.

  1. Você é bom com feedback

 

Todo mundo comete erros e o líder não é exceção. A coisa a ser notada é como o líder lida com seus erros sendo apontados e quão bem eles respondem à crítica construtiva. É fácil deixar que o seu ego tire o melhor de si e anote o feedback, mas se quiser ser um bom líder, mantenha sempre a mente aberta e receba críticas com uma perspectiva positiva.

 

  1. Você é sincero

 

Você provavelmente se viu em uma situação em que você tem que dar más notícias à sua equipe ou ser honesto quando alguém está vindo até você para sua opinião. Como você lida com essas situações? Como você fornece feedback sobre o desempenho de sua equipe? Ser direto é uma das maiores marcas de um bom líder. Seja seu colega ou até mesmo seu melhor amigo, você deve ser capaz de dar uma má notícia sem revestir com açúcar. Seja franco, mas não cruel.

 

  1. Você transmite positividade

 

Todo mundo precisa de informações positivas dos outros, e mais ainda no ambiente de trabalho, onde a pressão e o estresse de tudo isso são suficientes para tirá-lo de toda a sua energia. Pergunte a si mesmo se você é o tipo de pessoa que sempre procura  uma fresta de esperança mesmo em situações desafiadoras e se você é o tipo de pessoa que carrega a positividade e a espalha por toda parte. Um bom líder sabe como manter sua equipe motivada com a quantidade certa de energia. A Harvard Business Review e a Gallup PollsConcluíram de suas pesquisas que 50% da força de trabalho está desinteressada em vir para o trabalho, independentemente dos benefícios oferecidos, se sentirem que seu bem-estar emocional não é atendido. Um bom líder não tem apenas uma perspectiva positiva, mas também compartilha essa positividade com os membros de sua equipe. Afinal de contas, um local de trabalho positivo trará resultados positivos. 

 

  1. Você pode lidar bem com a responsabilidade

 

Responsabilidade e responsabilidade andam de mãos dadas quando você está tentando ser um bom líder, e uma das qualidades de um bom líder é saber quando dar um passo adiante e assumir a culpa. Saber colocar-se na frente de sua equipe, especialmente quando há uma situação ruim balançando seu caminho. Aprenda a ser responsável pelos erros de sua equipe e pelos seus. E o mais importante, saber quando avançar e assumir a responsabilidade que é esperada de você. Você não pode desistir enquanto sua equipe trabalha mais duro.

 

  1. Você é um bom ouvinte

 

Como mencionado anteriormente, uma das marcas de um bom líder é ter a mente aberta. Sobre o mesmo tema, um bom líder também deve ser um bom ouvinte. Ninguém quer um cachorro velho que não possa aprender novos truques. Um bom líder deve ser capaz de aceitar novas idéias e ouvir mudanças. 

 

  1. Você dá crédito quando é devido

 

Todo mundo gosta de dar um bom tapinha nas costas pelo trabalho que fizeram bem, e em uma equipe isso pode ser a maior força motriz para deixar seus membros empolgados em ir trabalhar. Para ser verdadeiramente apreciado como um bom líder, não se esqueça de dar crédito onde é devido – para apreciar e recompensar o trabalho duro.

 

  1. Você conhece sua equipe

 

Às vezes é fácil ser desconectado de sua equipe depois de ter sido entregue a uma posição de liderança, e isso pode afetar o desempenho de sua equipe porque, para mantê-los em seu melhor desempenho, você precisa saber como eles trabalham e jogam com eles. forças. Uma  pesquisa conduzida pela Deloitte mostrou que um ambiente de trabalho inclusivo aumenta o desempenho da equipe em 17% e a colaboração da equipe em 29%. Então, para ser um bom líder, você deve conhecer e entender sua equipe. Com ferramentas de comunicação instantânea como o  Zoho Cliq , você pode reunir sua equipe em uma única plataforma, eliminar barreiras de comunicação e construir uma cultura de trabalho inclusiva.

 

  1. Você é líder, não chefe

 

Há uma diferença considerável entre ser um chefe e ser um líder. É fácil identificar um chefe. Um chefe é alguém que ‘gerencia’ sua equipe, enquanto um líder é alguém que sabe como levar a equipe adiante enquanto gerencia o trabalho ao mesmo tempo. É fácil microgerenciar e ainda mais fácil de mandar em volta. Pergunte a si mesmo se você gerencia ou se você lidera. São as pequenas coisas que fazem a diferença.

 

Então, você tem isso, 10 sinais para saber se você está fazendo sua liderança direita. É difícil restringir as amplas habilidades e desafios da liderança a apenas 10 pontos, mas se você concordar com a maioria dos pontos mencionados, parabéns! Você está no caminho certo. 

 

Fonte: https://www.zoho.com/cliq/blog/10-signs-youre-doing-leadership-right.html

Quando você deve usar automação de marketing?

By | Blog, Processos de Negócios

Todo negócio funciona com o objetivo de gerar mais receita. Mais receita vem de clientes de qualidade, que costumavam ser os melhores leads antes de se converterem. É um efeito dominó que começa quando um visitante da Web mostra interesse inicial em uma marca.

 

Os profissionais de marketing eficientes são aqueles que aproveitam os interesses dos diferentes visitantes e os canalizam de acordo com a visão da marca. Isso acaba ajudando-os a fornecer o engajamento personalizado que os visitantes precisam para se tornarem leads e, eventualmente, clientes fiéis.

 

A automação de marketing é uma coisa do presente. Embora a automação tenha sido tradicionalmente vista como um meio de reduzir as tarefas manuais, acelerar os processos e permitir que os profissionais de marketing entreguem rapidamente mensagens de modelo em massa, a maioria dos profissionais de marketing atualmente discorda.

 

Na verdade, a automação de marketing está se tornando cada vez mais uma ferramenta para oferecer uma jornada de conversão personalizada para cada lead . Ele restaurou o toque humano em todas as mensagens e processos – ajudando você a economizar tempo e criar experiências individuais para seus leads e clientes.

 

A automação de marketing ajuda os profissionais de marketing a aproveitarem maneiras de ponta para impulsionar marcas e aumentar a receita. É uma abordagem moderna para alcançar os aspectos tradicionais do marketing e não está mais isolada de grandes empresas e negócios globais. A verdade é que a automação de marketing agora se aplica a empresas de todos os tipos – nascentes, florescentes e estabelecidas. Tudo depende da necessidade de simplificar a jornada de liderança para o cliente, bem como orquestrar seus aplicativos e funções de marketing em um único lugar.

 

Conhecendo o poder da automação, quando é o momento perfeito para começar? Quando você deve usar a automação de marketing para sua marca?

 

Primeiras coisas primeiro! Faça uma verificação simples com alguns desses pontos :

 

  •  Você tem como objetivo identificar, rastrear e analisar o comportamento do seu website e dos visitantes de aplicativos da web.
  •  Você quer aproveitar benefícios multicanal (e-mail, SMS, social) para sua marca.
  •  Você está procurando uma maneira organizada e personalizada de engajar seus leads.
  •  Gerar, nutrir e qualificar leads são a base de seus esforços de marketing.
  • Você deseja filtrar leads com base nos níveis e interesses de engajamento.
  •  Sua equipe de vendas busca um ciclo de conversão de lead-to-customer mais rápido e suave.
  •  Aumentar a receita em várias plataformas é o objetivo da sua marca.
  •  Medir o desempenho da receita de cada campanha de marketing é um dos seus objetivos imediatos.
  • Você precisa de um sistema integrado que ajuda você a se conectar com vários serviços e realizar todas as suas atividades de marketing em um só lugar.
  • Os esforços de marketing e vendas da sua empresa devem colaborar de forma eficaz.

Você respondeu  “sim” para a maioria ou todos esses pontos? Então, bem-vindo a bordo! A automação de marketing o aguarda, para ajudá-lo a realizar com sucesso todas essas coisas e muito mais, sem se atrapalhar.

 

Então, o que é automação de marketing em poucas palavras? É uma ferramenta mecanizada para ajudar você a realizar suas atividades de marketing de maneira mais humana. 

 

Experimente  os recursos robustos do Zoho MarketingHub , que ajudam no gerenciamento de leads, no marketing comportamental da Web, no envolvimento multicanal, nas jornadas personalizadas do cliente, na medição de ROI e muito mais.

 

Fonte: https://www.zoho.com/marketinghub/blog/when-should-you-use-marketing-automation.html

Alinhe suas equipes de vendas e marketing com automação de marketing

By | Blog, Processos de Negócios

Quando se trata do crescimento da receita de uma empresa, as equipes de vendas e marketing têm uma participação igual na responsabilidade. No entanto, o desafio para um profissional de marketing ou representante de vendas é: como alinhar os processos de ambas as equipes para maximizar a produção?

 

Onde os profissionais de marketing ajudam na habilitação de vendas e encontram o melhor conjunto de leads, os profissionais de vendas agem com base nesses leads, realizando assim todos esses esforços de marketing. Em última análise, ambas as equipes se esforçam para impulsionar o sucesso de uma marca em sua forma mais tangível – geração de receita. Por isso, é ideal para profissionais de marketing e profissionais de vendas trabalharem juntos sem aborrecimentos.

 

Para muitas empresas, no entanto, esse movimento ainda é apenas um sonho. Para os que tentaram unificar seus processos de vendas e marketing, surgiram desafios.

 

Recentemente, porém, chegou uma solução para simplificar a comunicação de vendas / marketing e o fluxo de processos: a  automação de marketing .

A automação de marketing pode unir equipes

Veja como a automação de marketing pode ajudar a estabelecer uma maneira suave e estruturada de mesclar seus processos de vendas e marketing:

 

Configurando pontos de contato para identificar fontes que contribuem para o sucesso geral da sua marca. Entender as principais fontes que têm um bom desempenho simplifica as atividades de geração de leads.

 

Conhecer as plataformas e canais que geram sua receita. Investir seu orçamento em várias plataformas é ótimo, mas descobrir quais geram mais receita é crucial. Isso ajuda você a otimizar as despesas da sua campanha.

 

Usando a análise de comportamento da web para avaliar os interesses do seu público. Estudar os padrões comportamentais on-line do público pode ajudá-lo a mapear rapidamente sua jornada de engajamento. Estabeleça metas para várias ações e veja o quanto seus leads são capazes de alcançar.

 

Configurando jornadas de conteúdo personalizado para diferentes tipos de leads. Isso torna seu processo de marketing mais segmentado, ajudando você a enviar mensagens por vários canais.

 

A categorização conduz a diferentes etapas com base em seus níveis de engajamento. Para tornar o canal mais fácil para sua equipe de vendas, qualifique os melhores leads usando ferramentas como pontuação e marcação. Dessa forma, você ajuda seu representante de vendas a fechar mais negócios em um tempo muito mais curto do que o esperado.

 

Maximizar seus esforços de marketing de qualificação de leads. Enquanto sua equipe de vendas trabalha para capturar as melhores apostas, o ciclo de conversão é fácil, pois seus representantes sabem que tipo de engajamento funciona para cada lead exclusivo. Isso permite que eles adicionem mais significado ao processo de marketing.

 

A principal vantagem da automação de marketing é que sua equipe de vendas estará ciente de seus movimentos de marketing, o que inclui o aprendizado de onde seus leads vêm, o que eles querem e como são convertidos em clientes. Isso preenche a lacuna de informações que de outra forma prejudica o funcionamento orquestrado das equipes de marketing e vendas.

 

O software de automação de marketing, como o  Zoho MarketingHub, pode combinar perfeitamente as funções de suas equipes de marketing e vendas e atingir suas metas de receita conforme o planejado. As integrações do MarketingHub com outras plataformas de CRM permitem lidar com dados em várias plataformas e garantir que seus profissionais de marketing e profissionais de vendas estejam sempre cientes sobre tudo.

 

Fonte: https://www.zoho.com/marketinghub/blog/align-your-sales-and-marketing-teams-with-marketing-automation.html

Retenção de clientes e fidelização

By | Blog, Processos de Negócios

Um comportamento bastante comum de novas marcas é se concentrar principalmente na aquisição de clientes, o que faz sentido, uma vez que ainda precisam ter uma base de clientes existente para construir. 

 

No entanto, uma vez que uma marca comece a crescer, ela precisará rapidamente começar a se concentrar na retenção de clientes, bem como na fidelização, a fim de maximizar sua receita e manter-se em destaque.

 

A retenção de clientes é a capacidade de uma empresa de mantê-los pagantes ao longo do tempo. Isso é conseguido com a criação de um relacionamento entre a marca e seus clientes.

 

Não se concentrar em reter e fidelizar clientes é basicamente deixar o dinheiro na mesa, considerando que adquirir um novo cliente pode ser até 5 vezes mais caro do que vender para um recorrente.

 

Seus clientes fiéis são o bem mais valioso da sua empresa e eles não aparecerão “do nada”. Criar clientes fiéis exige cuidado e atenção.

Fidelização é a mesma coisa que retenção?

A fidelização do cliente descreve a sua decisão de continuar comprando de um determinado negócio, devido à crença de que a empresa em questão oferece a melhor combinação de produto, experiência e preço dentro de sua categoria. 

 

A alta fidelidade do cliente impedirá que ele mude facilmente para um concorrente com base em fatores simples, como melhor publicidade ou um preço melhor.

 

Maximizar a fidelização é um importante ponto de foco para todos os negócios. 

 

Investir em estratégias de retenção de clientes, e ter em mente a qualidade do relacionamento com o cliente com o objetivo de aumentar as taxas de retenção é muito mais rentável do que depender constantemente de novas aquisições. As empresas vão querer dar alguns passos para construir lealdade e melhorar a retenção.

 

Então, qual é a diferença entre a retenção de clientes e a fidelidade do cliente?

A diferença entre a retenção e a fidelidade do cliente é mais do que uma diferença no vocabulário. 

 

Embora compartilhem algumas semelhanças, a retenção e a lealdade não podem ser usadas de forma intercambiável ao descrever os clientes.

 

Um cliente pode comprar de você novamente ou não. 

 

Eles podem escolher outra empresa quando chegar a hora. Eles são mantidos simplesmente pelo fato de que eles ainda não compraram em nenhum outro lugar.

 

Clientes satisfeitos e fiéis comprarão de você novamente e incentivarão os outros a fazer o mesmo. Isso geralmente resulta em referências de qualidade e comentários positivos de boca em boca. 

 

Lealdade vai além de gastar dinheiro. 

 

Clientes fiéis defenderão você e servirão como promotores de seus negócios.

 

Um estudo mostrou que clientes extremamente felizes têm cinco vezes mais chances de recomprar. Além de uma alta taxa de retorno, eles também têm quase sete vezes mais chances de perdoar um negócio depois de algum problema com a marca. Essas são estatísticas incríveis!

 

Como todo dono de empresa de pequeno (ou médio ou grande) porte sabe, a espinha dorsal de seu sucesso são as pessoas que trabalham duro para dar o melhor atendimento ao cliente.

 

Um cliente que adere ao seu negócio através de experiências positivas e menos positivas é um cliente verdadeiramente leal.

A importância do valor da marca

As estratégias de fidelização e altas taxas de retenção devem envolver a expressão do valor da marca para os clientes. Isso significa especificar exatamente o que a empresa, produtos ou serviços estão fornecendo e que não podem ser adquiridos em outro lugar. 

 

É menos provável que os clientes se voltem para a concorrência se os benefícios da marca forem claramente quantificados.

Programas de fidelidade

Para reter seus clientes, as empresas vão querer estabelecer um programa de fidelidade recompensador aos clientes que continuam a fazer compras. 

 

Os programas de fidelidade são muito baratos de implementar, mas podem aumentar drasticamente o valor da vida útil do cliente. 

 

Um programa de fidelidade eficaz também melhorará a retenção, diminuindo o valor das compras feitas por meio dos concorrentes.

 

Perseguindo Clientes Perdidos

É importante dar todos os passos possíveis para recuperar clientes perdidos. 

 

Os clientes que não fizerem uma compra em alguns meses podem se tornar o segmento-alvo de uma promoção destinada a atrair as pessoas de volta. 

 

Aqueles que abandonarem um carrinho de compras online devem receber lembretes de que os itens ainda estão disponíveis.

 

Mais do que apenas fazer seus clientes voltarem, é fundamental transformá-los em verdadeiros “advogados” da sua marca. Isso gera benefícios diretos e indiretos que vão colaborar para o sucesso da sua empresa.

 

Como andam suas políticas de retenção e fidelização de clientes? Compartilhe nos comentários!

 

Pré e pós venda: qual a diferença?

By | Blog, Processos de Negócios

Há uma coisa que é verdade sobre um trabalho em vendas – nunca é chato.

 

Na verdade, muitas pessoas optam por trabalhar em vendas porque acham que isso lhes dará mais liberdade e menos “rigidez” durante sua rotina.

 

E eles não estão errados!

 

Trabalhar em vendas dá sim um certo grau de independência em como você vai pensar sobre suas tarefas diárias. Como representante de vendas, você precisa ser flexível e disposto a improvisar para fechar negócios com os clientes em potencial.

 

Mas existem algumas etapas que são tão importantes quanto o momento da venda propriamente dito. O problema é que são poucos os vendedores que consideram esses momentos como uma de suas prioridades.

 

Estamos falando justamente dos momentos de pré e pós venda. São etapas que auxiliam a entender o comportamento dos potenciais clientes, assim como definir o sucesso ou fracasso de uma venda.

 

Vamos explorar cada uma dessas etapas e mostrar que elas também precisam ser consideradas pelas equipes de vendas e que elas definitivamente não são a mesma coisa.

Aquilo que vem antes: o pré-vendas

As atividades de pré-vendas podem ser divididas em duas áreas: planejamento e preparação. 

 

Planejamento, por definição, é o momento baseado em ações e é um esquema ou método, desenvolvido com antecedência, para fazer ou continuar alguma coisa. 

 

O planejamento, nas atividades de pré-vendas é a etapa que inclui a identificação do prospecto/cliente, análise do produto/cliente, pesquisa do setor, avaliação de seus produtos e serviços relativos à concorrência. 

 

Esta não é uma lista definitiva, mas já é um bom começo. Quantos de nós pesquisamos tanto? 

 

Alguns vendedores até possuem esse momento de pesquisa, mas não fazem isso pensando especificamente em como usar esses dados depois.

 

Já na etapa de “preparação”, tudo se resume em juntar ou combinar vários elementos ou ingredientes. 

 

Então, como você se prepara para a chamada de vendas? Como você usa as informações coletadas na fase de planejamento? As chances são de que você usará essas informações quando escrever um objetivo claro para cada chamada de vendas. 

 

Escreva um objetivo, determine os processos que você usará para atingir esses objetivos, defina metas quantificáveis ​​para cada objetivo e pratique para a chamada. 

 

Atividades de pré-vendas em torno da preparação podem envolver a criação do material de apresentação de reunião, criação de proposta/preço, geração de contrato, determinação do uso de material de marketing ou identificação de objeções do cliente.

 

Depois de definir o objetivo e determinar como atingir o objetivo, você deve praticar para a chamada; essa prática é essencial na preparação para a venda.

 

Uma análise indica que a maioria dos representantes de vendas não gasta tempo suficiente em pré-vendas. Os representantes que fazem mais planejamento e preparação veem um retorno maior sobre o investimento pois essas etapas determinam se a empresa pode oferecer o que o cliente espera. 

 

Além da economia de tempo, tanto consumidor quanto consultor tendem a ser menos frustrados após as chamadas de vendas.

Aquilo que vem depois: o pós-vendas

Quantos representantes de vendas realizam atividades de pós-vendas? 

 

A verdade é que bem poucos. 

 

Isso ocorre porque as atividades de pós-vendas, como implementação de produtos/serviços, atendimento ao cliente e suporte, coleta de comentários dos clientes, desenvolvimento contínuo de relacionamento com clientes e avaliação da chamada de vendas não são o que desejamos fazer. 

 

Nenhuma dessas atividades são destaques do dia dos representantes de vendas, mas elas são todas integrantes. 

 

É importante salientar que, de todas as atividades de pós-vendas é fundamental que se faça a avaliação após uma chamada. 

 

Tendo em conta o diagnóstico aberto e honesto da sua abordagem de vendas, esta atividade irá prepará-lo melhor para a sua próxima experiência e, por si só, proporcionará vendas mais produtivas no futuro. 

 

Por quê?

 

Porque se você realmente avaliar e determinar o que deu certo/o que poderia ter sido melhor na última chamada e fazer alterações com base nesses dados, as chamadas futuras serão mais fáceis.

Use esse conhecimento no seu dia-a-dia

Viu só? Incluir os processos de pré e pós-vendas pode ajudar você a fazer as coisas certas e saber o que funciona e o que não funciona. Equipado com este conhecimento você pode evitar cometer os mesmos erros.

 

Sua equipe de vendas pode:

 

  • criar e manter relações duradouras com os novos e futuros clientes,
  • garantir maior valor da vida útil do cliente,
  • reduzir os custos de retenção de clientes,
  • obter mais referências,
  • aumentar a receita de vendas.

 

Para um gerente de vendas, considerar essas outras etapas cria a possibilidade de se concentrar nos aspectos mais importantes: planejamento, geração de leads e distribuição desses, priorizar tarefas, gerenciar melhor o tempo e a carga de trabalho de sua equipe, além de fazer previsões de vendas mais precisas.

 

Como você gerencia suas tarefas de pré e pós-vendas? Compartilhe conosco nos comentários!

A Melhoria Contínua Para O Crescimento Contínuo

By | Blog, Processos de Negócios

 

Um plano de melhoria contínua é um conjunto de atividades projetadas para levar melhorias graduais e contínuas a produtos e serviços ou processos por meio de revisão, medição e ação constantes.

O Ciclo PDCA (também conhecido como Ciclo de Deming), ou uma abordagem chamada Kaizen, são os dois frameworks mais conhecidos usados para suportar a melhoria contínua.

A melhoria contínua é uma dimensão crítica de todos os principais frameworks e metodologias onde a cultura da qualidade é prioridade, incluindo Six Sigma e ISO 9001 2015.

As organizações dedicadas à melhoria contínua reconhecem cada vez mais a importância dessas ações e das ferramentas de qualidade para melhorar a satisfação do cliente e melhorar a eficiência, a produtividade e os lucros.

 

Kaizen

Kaizen é um termo japonês que significa “mudar para melhor”. O Kaizen suporta a perspectiva de que tudo pode ser melhorado, mesmo que seja incremental.

As melhorias incrementais contínuas ao longo do tempo são consideradas desejáveis e podem se traduzir em melhor qualidade, custos reduzidos, processos de trabalho simplificados, menos desperdício e melhor satisfação e lucros do cliente.

O Kaizen é uma parte crítica do mais amplo Sistema Toyota de Produção.

 

O Ciclo PDCA

O PDCA é na maioria das vezes um círculo sem começo ou fim, o que significa que a melhoria contínua é um processo que nunca para.

Uma descrição simples do ciclo PDCA é:

  • Planeje: Identifique uma oportunidade e crie um plano de ação para melhoria
  • Faça: Teste a mudança em pequena escala, onde as alterações podem ser melhoradas e facilmente observadas e medidas
  • Verifique: Avalie os resultados do teste e resuma as lições aprendidas
  • Aja: Se o teste funcionou, implemente a alteração em uma escala ligeiramente maior e monitore os resultados

Lembre-se, o processo é um ciclo. Se o teste falhar, repita todo o processo. Se funcionar, monitore os resultados e comece tudo de novo com um novo plano para promover melhorias adicionais. O trabalho de melhoria contínua é interminável. Os processos de negócio e a gestão da qualidade também.

4 Aplicações Diferentes Da Melhoria Contínua

As diferentes aplicações do setor incluem o seguinte:

Indústrias Focadas no Processo

Em setores e aplicações intensivas em processos, o programa de melhoria contínua permite que indivíduos e grupos identifiquem ineficiências ou gargalos. Isso é importante pois proporciona às pessoas a oportunidade de simplificar processos e minimizar o tempo, o esforço e o desperdício. A melhoria contínua é inerente ao Sistema de Gestão Toyota de Produção (conhecido como metodologias Lean) e ao uso do Kaizen.

Produtos de hardware

Em aplicações centradas em produtos de hardware, um programa de melhoria contínua baseado no feedback do cliente permite que o fabricante melhore a qualidade do produto, aprimore as capacidades do produto em produtos subsequentes e identifique oportunidades para simplificar os processos de fabricação, resultando em redução de custos.

Serviços industriais

Em indústrias focadas em serviços, a melhoria de processos contínua é implementada para melhorar a eficiência e fortalecer a qualidade da prestação de serviços. De uma operação de fast food a um negócio de lavagem de carros, essas empresas devem medir regularmente a satisfação do cliente e observar as atividades, a fim de identificar oportunidades para melhorar os resultados.

Empresas de Software

Em muitas atividades e metodologias de desenvolvimento de software – incluindo abordagens em cascata e ágil – a teoria e a prática da melhoria contínua são inerentes.

Em cascata, um produto é desenvolvido de acordo com especificações detalhadas e o aplicativo completo é testado para verificar a existência de bugs.

Os bugs são reparados e uma nova versão é testada, com a expectativa de um número decrescente de bugs ao longo do tempo.

Os métodos ágeis incorporam ciclos de desenvolvimento mais curtos e fornecem feedback contínuo ao cliente, com versões subsequentes aprimoradas em termos de capacidade, qualidade e desempenho.

Melhoria Contínua É Um Modo de Vida

O falecido guru da qualidade, W. Edwards Deming, disse que os gerentes e as organizações devem ter uma consistência de propósito e uma dedicação profunda e duradoura à constante melhoria contínua, a fim de satisfazer os clientes, vencer a concorrência e reter empregos.

O foco de Deming era garantir que a melhoria contínua fosse introduzida na cultura, não algo que fosse momentâneo ou ocasional.

Ele frequentemente criticava os gerentes por serem míopes e se concentrar nas medidas erradas. Ele incentivou os gerentes a investir no longo prazo, concentrando-se em medidas significativas de melhoria contínua que todos podemos fazer.

É preciso dizer que as organizações que se destacam na melhoria contínua incorporam-na em seus valores e a refletem em sua contratação e treinamento. Eles também incorporam isso em seu sistema de avaliação e compensação de todos os colaboradores, desde a alta cúpula até os níveis mais baixos da pirâmide.

Se você visitar uma empresa que se destaca neste trabalho, os sinais de melhoria contínua são visíveis em todos os aspectos da cultura.

Para entender o potencial verdadeiro da melhoria contínua devemos interpretá-la é um modo de vida, não uma moda passageira ou uma correção de curto prazo.

Cold Call: Uma Estratégia Temida No Mundo Das Vendas, Mas Muito Efetiva

By | Blog, Marketing, Processos de Negócios, Zoho CRM

Começar qualquer tarefa sem um aquecimento prévio certamente não é uma boa ideia. E isso não seria diferente na hora de uma cold call. Essa técnica de vendas, conhecida por aqui como “ligação fria”, envolve entrar em contato com potenciais clientes via telefone sem que eles estejam esperando por isso. Talvez seja por isso que essa estratégia é conhecida por ser uma das atividades menos agradáveis no mundo das vendas.

O Que Exatamente É Cold Call?

O termo “cold”, em cold call se refere especialmente ao fato de que você não teve nenhum contato prévio com o cliente. É considerada uma abordagem mais agressiva e uma das estratégias mais famosas de outbound marketing.
Se você está ligando para prospects que já tenham demonstrado algum tipo de interesse em seus produtos, como preencher um formulário do seu site, nesse caso a abordagem recebe o nome de “warm calling”, ou ligação quente.

Diferentes especialistas de vendas podem se referir ao cold calling tanto como as ligações propriamente ditas, quanto às visitas físicas aos clientes, mas na maioria do mundo de vendas, a opinião é de que a estratégia de cold call é própria da abordagem via telefone.

Os Desafios

Cold call é uma tarefa emocionalmente exaustiva, já que receber uma ligação fria de vendas pode despertar o lado negro da pessoa do outro lado da linha . Além disso, quando começar uma sessão de cold calling, você pode esperar um certo nível de abuso verbal, clientes que desligam na sua cara e até ocasionais ameaças.

A melhor abordagem nesse caso é ter em mente que eles não estão rejeitando especificamente você. Eles estão rejeitando a situação.
Deixe a hostilidade rolar, desligue o telefone e siga para o próximo nome da sua lista.

Outro desafio do cold calling é entrar em contato com os verdadeiros tomadores de decisão e não com a caixa postal ou com alguém que certamente não vai passar o recado.

Alguns especialistas dizem que ligar durante o período da manhã ou no final da tarde aumentam as chances de conseguir encontrar o tomador de decisão, já que eles tendem a ser os primeiros a chegarem e os últimos a saírem.Pelo menos no caso de vendas B2B.

 

No caso de vendas B2C, o ideal é fazer cold calling fora do horário comercial, quando os clientes estão em casa. É importante respeitar o horário das refeições e o horário de dormir das crianças. É preciso ter em mente também possíveis diferenças de fusos horários.

Cold Call Funciona?

Sendo bem direto, a verdade é que a opinião sobre essa técnica é dividida no mundo das vendas. Alguns vendedores dizem que é a maneira mais eficiente de gerar novos leads.
Outros dizem que o cold calling foi superado por diversos outros canais novos que apareceram nos últimos tempos, como e-mail, mídias sociais e mensagens de texto.
Independente da reação positiva ou negativa por parte da comunidade de vendas, é consenso entre eles de que a menos que você possua um funil de vendas com leads aquecidos vindos de outra fonte de prospecção de clientes, você vai precisa fazer algumas sessões de cold calling para poder alcançar sua meta.

Para aumentar suas chances de sucesso, considere essas dicas:

 

10 Dicas Para Aumentar Suas Chances de Sucesso

1- Foque No Objetivo

Iniciantes tendem a acreditar que cold call é sobre fazer vendas. Só que não é. Você deve estar confuso com essa afirmação, mas calma, vou explicar melhor:
A verdade é que cold calling é sobre criar a chance para fazer uma venda. Especificamente falando, o propósito de uma ligação fria é marcar uma visita para fazer o pitch de vendas.

2- Antes Da Ligação, Pesquise Sobre Seu Cliente E O Mercado

Você precisa mirar no público certo. Só isso já aumenta as suas chances de sucesso.
Pesquise as condições atuais do seu mercado e descubra o máximo possível sobre a empresa ou pessoa para quem será direcionada sua ligação, pois isso te permite conversar sobre as necessidades e problemas desse cliente.

3- Aumente Sua Taxa de Sucesso Através De Contatos Em Redes Sociais

Se a pessoa para quem você está ligando é uma conexão sua no LinkedIn, as chances de conseguir falar com ela aumentam. E isso é válido para qualquer outra mídia social. Ter uma conexão desse tipo aumenta a receptividade do prospect quando você entrar em contato com ele.

4- Prepare Alguma Afirmação Para Abrir A Conversa

Isso te ajuda a organizar seus pensamentos antes da ligação, e ainda ajuda a evitar um erro bem comum na hora de iniciar o diálogo e que pode dar a chance ao seu cliente de terminar a conversa na hora. Por exemplo, numa ligação fria, tente evitar perguntas como “Você pode falar agora?” ou “Como você está hoje?”

5- O Que Incluir Nessa Afirmação De Abertura

A estrutura a seguir funciona bem para essas ocasiões:
Inclua uma saudação e uma pequena introdução, um pequeno ponto de referência (algo sobre o cliente), os benefícios do seu produto ou serviço e uma transição para perguntas ou diálogos.

Um exemplo de abertura:

“Bom dia, Sr. Danilo. Aqui é o Fernando Pereira, da ConstruGreen. Li em uma notícia que vocês compraram recentemente um terreno para a construção do novo escritório. Somos especializados em serviços de construção comercial que te permitem reduzir os custos internos de manutenção e cumprir com as novas regulamentações ambientais da cidade. Gostaria de fazer algumas perguntas para verificar se algum de nossos programas pode ajudar você.”

6- Prepare Um Script Para O Restante Da Sua Ligação

Coloque os benefícios do seu produto ou serviço e as razões pelas quais seu prospect deveria comprar com você. Levante possíveis objeções e responda todas elas.
Sem um script fica fácil se perder e deixar passar algum detalhe. É importante reforçar que não é para ler esse script durante a conversa. Ele é mais como uma ferramenta de suporte.

Se prepare para responder questões detalhadas sobre seus produtos e serviços. Muitos clientes reclamam de que os vendedores não conseguem responder suas perguntas de maneira satisfatória.

7- Marque Uma Visita Em Um Horário Específico

Diga algo como “Quinta feira às 10 seria um bom horário para uma visita?” Essa abordagem é muito mais efetiva do que falar “Podemos marcar uma visita na semana que vem?” É importante conseguir um certo nível de comprometimento do cliente logo na primeira ligação ao invés de deixar algo vago no ar.

8- Lembre-se De Que Os Intermediários São Seus Amigos, Não Inimigos

Seja agradável com a pessoa que te atender, independente de quem seja. Formule estratégias para manter os gatekeepers (as “barreiras” entre você e o tomador de decisão) do seu lado. Esses intermediários são importantes no processo de vendas que é cold calling.

Perguntar coisas como “Será que você poderia me ajudar?” vai garantir as informações que você precisa, como o nome do tomador de decisão e qual é o melhor horário para entrar em contato. Aprender o nome desses intermediários também ajuda bastante.

9- Prepare O Terreno Antes Da Ligação Enviando Pequenos Itens

Isso ajuda a quebrar o gelo e garante um certo nível de diferenciação. Um simples brinde pode ser o fator crucial entre conseguir um negócio ou não.
Quando fizer a ligação, é bem provável que o cliente diga algo como “Ah, foi você quem mandou aquele brinde…”
Pode parecer que é algo desnecessário, mas funciona.

10- Seja Persistente

A maioria das vendas é feita depois do quinto contato com o cliente, ainda assim a maioria dos vendedores desiste logo depois da segunda chamada. Não seja um desses que desistiu logo de cara. Se realmente quer vender, tente de novo e de novo.

Uma Última Dica Sobre Cold Calling 2.0

Acima de tudo, pratique. Ficou claro que fazer ligações frias não é algo tão divertido, mas você pode ficar muito bom nessa técnica, e quanto mais praticar, melhores serão os seus resultados. Uma metodologia que pode te ajudar a melhorar no cold call é o SPIN Selling (inclusive já falamos sobre isso em outro artigo). Com ele, a qualidade do seu script e da sua ligação podem melhorar enormemente.

Lembre-se de que o primeiro contato é sempre o mais difícil, as pessoas que você quer fechar negócio estão aí fora, mas você precisa fazer com que eles te conheçam antes.

 

Social Selling

By | Blog, Gestão de Projetos, Marketing, Processos de Negócios, Zoho

A menos que você tenha vivido dentro de uma caverna nos últimos cinco anos, você certamente já ouviu o termo “social selling”, a famosa venda social que todos estão falando sobre.

Embora essa prática do marketing digital tenha se tornado um desafio e até mesmo uma prioridade para algumas empresas, ainda há muita confusão sobre o termo e sobre o que ele é. Para entender o que é social selling, primeiro você precisa entender que as equipes de vendas atuais evoluíram.

Táticas de vendas antigas como cold calling, onde existe um contato totalmente sem contexto, já não performam mais tão bem quanto antes. Em vez disso, surge uma abordagem cada vez mais centrada no comprador.

Há, sem dúvida, uma mudança dramática acontecendo para as organizações de vendas de hoje, mas a evolução do cenário de vendas ainda está em andamento.

O próprio marketing de conteúdo está acompanhando essas evoluções.

Agora, o que é social selling?

Social selling é o processo de desenvolver, cultivar e alavancar relacionamentos em um ambiente digital para vender algum produto ou serviço. Esta definição analisa as vendas sociais da perspectiva do comprador.

Os compradores usam o Social Selling trabalhando em suas redes e digerindo o conteúdo para se armarem com informações e tomar decisões de compra mais precisas.

O Sucesso Do Social Selling

Ainda existem muitos mitos, suposições e falsidades sobre o que é a social selling, mas o que significa ser um vendedor social de sucesso?

Antes de revelar essa resposta é preciso entender que o social selling possui duas características muito importantes:

  • As mídias sociais são ferramentas altamente eficazes para identificar novas oportunidades de negócios.
  • Social media também é uma ferramenta altamente eficaz para identificar tomadores de decisão.

O que descobriram foi que os melhores vendedores que usam essa técnica lidam com essas duas características de forma muito diferente do que o resto, pois se concentraram nelas duas vezes mais do que a maioria dos outros vendedores.

O resultado é exponencial aos esforços investidos.

Isso deixa bem claro que para se ter sucesso no social selling, é fundamental basear suas estratégias nesses dois pontos acima mencionados e definir muito bem o seu público alvo e atingir seus clientes em potencial dentro do ambiente que eles mais frequentam.

Mitos Comuns Sobre Social Selling

Mito 1: Não preciso mais do telefone

Um dos equívocos mais comuns dos novatos é dizer “estou fazendo social selling, agora não preciso mais ligar”.

Errado!

O social selling não é um substituto para o telefone ou e-mail.

A empresa deve garantir que o conceito está integrado no seu processo de vendas atual. Fazer social selling é sobre construir relacionamentos sempre significativos, alimentá-los, agregar valor, conectar-se e socialmente cercar e ouvir os potenciais compradores.

Mito 2: LinkedIn Sales Navigator é tudo que eu preciso

Essa é uma suposição comum, já que a maioria das organizações de vendas acredita que, usando o LinkedIn Sales Navigator, você já está vendendo em redes sociais. Definitivamente, a plataforma evoluiu além da prospecção geral e se tornou uma excelente ferramenta de vendas centrada em contas.

Seu valor final é a velocidade de execução do LinkedIn e, dependendo do tamanho da sua organização, a velocidade de dimensionamento pode significar uma enorme economia de horas de vendas.

LinkedIn Sales Navigator é uma ferramenta poderosa, mas assim como pegar as chaves para uma Ferrari, você precisa saber como dirigir antes de pisar no acelerador.

A tecnologia pode ser um grande acelerador para a sua atual estratégia de social selling, mas, como diz o velho ditado, “um tolo com uma ferramenta ainda é apenas um tolo”.

Mito 3: O Marketing deveria fazer isso

Alinhamento de vendas e marketing é fundamental para o sucesso. As empresas precisam do setor de marketing para apoiar atividades de social selling com produção de conteúdo.

Fica cada vez mais claro que as equipes não trabalham mais em silos; em vez disso, programas de social selling bem-sucedidos exigem que vendas e marketing troquem constantemente recursos, expectativas e conhecimentos especializados.

No entanto, uma lição aprendida nos últimos tempos é que social selling é uma iniciativa liderada pelas vendas.

Com a devida responsabilidade pela liderança de vendas, um profissional de vendas aprenderá uma nova habilidade, e o líder de vendas será responsável por ajudar a garantir que a habilidade recém-adquirida seja acionada em um resultado de vendas.

Os Benefícios Do Social Selling

Social selling é sobre a integração de estratégias tradicionais com novas (venda por gatilho, venda por indicação, venda por insight).

É também envolver o comprador onde ele está hoje, entender sua jornada e usá-lo como ferramenta de pesquisa social, etc.

Como você deve saber, boa parte dos compradores de hoje realizam mais da metade de suas pesquisas online antes de fazer uma compra.

Naturalmente, o social selling é sobre atingir suas metas de vendas (otimizar seu funil de vendas, a receita e a geração de leads).

A maioria das organizações envolvidas com social selling relatam um impacto positivo no crescimento da receita.

Social selling está adotando uma abordagem multi-direcional, identificando as pessoas certas dentro de um grupo de compras e envolvendo-as.

Portanto, identificar as oportunidade e fazer um bom uso do social selling pode fazer toda a diferença para você e sua equipe.